WASHINGTON É APENAS UM DETALHE, BEM QUE EU AVISEI

É A POLÍTICA EXTERNA, SEU TOLO

Em julho, “analistas” e “especialistas” de sempre, pegavam no pé do nosso presidente por causa do nepotismo moral de prometer nomear seu filho para a mais importante missão no exterior, a embaixada em Washington. Ora, o problema realmente grave é a condução de nossa política externa. Segue o blog que postei, comentando esse equívoco:

Bolsonaro está enrolando toda a imprensa e a grande maioria dos publicistas (como eram chamados os que escrevem e falam sobre a coisa pública). Dá vontade de zombar, desqualificar intelectualmente, contestar os fatos, condenar moralmente – concentrar-se nas inúmeras insuficiências intelectuais, morais e de personalidade do presidente. Em pura perda, porque, como já disse em blog anterior, nosso presidente atua por impulso, e não por escolha racional.

Enquanto se discutem seus gestos e façanhas, os efeitos delas permanecem, e o alvo da controvérsia é totalmente infenso a ela, porque, como também já disse, ele jamais faria nada “disso daí”. Tanto isso vale para sua declaração de que jamais falaria de coisas estratégicas ao telefone, como quando explica que não pratica nepotismo nem favoritismo, nem toma decisões temerárias ao indicar uma pessoa inexperiente e sem qualificações para um posto diplomático que é vital para o interesse nacional.

Acho muito improvável – levando-se em conta a ligeireza com que trata de suas prerrogativas como chefe da Nação e do Estado – que saiba distinguir as questões estratégicas de seus compromissos com os interesses imediatos de seguidores. Tampouco acho provável que saiba distinguir suas relações pessoais de uma política de relações exteriores, a julgar pelo fato de empregar, como modelo de entendimento de tudo o que se passa na sociedade e no Estado, metáforas de relações conjugais, casamento, noivado, namoro e sexo.

Nossa embaixada em Washington é apenas um detalhe – sem dúvida importante, mas um detalhe – no que diz respeito à nossa política externa, que se encontra à deriva. Alguns exemplos concretos podem ajudar a esclarecer meu argumento.

Posso estar enganado, mas o momento de maior risco externo neste governo ocorreu em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, quando o Itamaraty e a Presidência da República cogitaram de coordenar com os EUA uma ação em território venezuelano, que não ocorreu graças à intervenção contrária das nossas Forças Armadas e à moderação de nossos vizinhos do Grupo de Lima.

Isso se passou a milhares de léguas de Washington. A embaixada em Washington poderia ter aumentado o risco em mãos inexperientes e sem qualificações? Até poderia, tendo um chefe de missão alinhado com John Bolton, assessor de insegurança nacional de Trump. Diga-se de passagem: quem, da confiança de Macron ou de Merkel, ou mesmo de Johnson, tomaria a bênção de John Bolton ou de Steve Bannon?

Também a milhares de léguas de Washington, ocorreram as graves trapalhadas com navios de carga de bandeira iraniana. O embargo trumpiano ao Irã é um dos jogos de guerra prediletos do presidente americano, uma crise criada gratuitamente (mas com custos altíssimos), de acordo com a opinião geral dos especialistas em política externa mais destacados do mundo. Por causa de sua obstinação em alterar o acordo alcançado entre as principais potências mundiais e o Irã – sob a liderança de Obama –, Trump está cobrando um preço enorme aos principais aliados dos EUA em termos perdas de comércio, investimentos e segurança energética.

Todos os países sérios do mundo, especialmente as principais potências europeias, com dependência energética do fluxo de petróleo pelo Oriente Médio, definiram uma política para enfrentar ou contornar o embargo trumpiano, que prevê retaliações contra todas as empresas que não cumprirem seu diktat. E mantêm essa política em contínua evolução, uma vez que o que Trump diz não se escreve, e mesmo o que se escreve não se faz.

Embora as áreas governamentais da agricultura, do comércio exterior, de energia e do sistema bancário, possam e devam ser ouvidas, cabe ao Itamaraty, por orientação do Presidente da República, enfrentar a ameaça aos interesses nacionais provocada por Trump. O Presidente da República Federativa do Brasil, diferentemente dos Estados Unidos da América, não compartilha com nenhum outro poder ou setor do governo (nem com o Itamaraty) a responsabilidade pela definição e a condução da política externa.

O Itamaraty, portanto, – ou melhor, seu chefe – prevarica ao não possuir um protocolo bem definido sobre as políticas a serem seguidas pelo País em casos como o dos navios sob bandeira iraniana que a Petrobrás se recusou a abastecer. Na vigência desse protocolo, não se deixaria a questão do embargo ao sabor de um jogo de empurra entre decisões da Petrobras, de juízes de diferentes instâncias, ou do STF, despreparados que são, e sem autoridade constitucional para interferir na definição e condução da política externa brasileira.

É bem verdade que o Presidente da República abriu mão de ter uma política externa ao nomear um chanceler sem qualquer experiência de chefia de missão no exterior e ao entregar a definição de nossa política externa a outro país, como tornou público ao declarar, segundo a Folha (25/07/2019): “Sabe que estamos alinhados à política deles. Então, fazemos o que tem que fazer”.

Em casos dessa natureza, é dever de Estado do chefe da diplomacia esclarecer ao Presidente a diferença entre alinhamento diplomático e subserviência a uma potência externa. É o que deveria distinguir o Brasil de Hong Kong e Macau, por exemplo, cuja política externa e de defesa estão a cargo de Pequim.

O prejuízos aos interesses nacionais e a sua segurança internacional estão – e tudo indica que continuarão – em risco, independentemente de quem for efetivamente nomeado para Washington.

Em suma, o que posso dizer, senão: assino embaixo?

576 comentários sobre “WASHINGTON É APENAS UM DETALHE, BEM QUE EU AVISEI

  1. Guilherme Ribeiro Filho disse:

    Meu respeitado professor, o mais lúcido avaliador das situações por que passa o Brasil.
    Li que a política externa brasileira está sem rumo. Não concordo, pelo que tenho lido. E tenho um aliado, o embaixador Sergio Amaral, prestes a ser substituído por um fritador de hamburger. Disse ele que muitas mudanças que se fazem no Itamarati são pertinentes. E digo eu: é melhor uma nau sem rumo do que aquela que tem rumo , porem errado, em direção ao iceberg. Desta não
    temos escapatória. Estamos vendo o Presidente querendo desviar o rumo de uma política de relacionamento com paises de esquerda ou corruptos, a maior parte das vezes de esquerda e corruptos e que tem décadas. Não é tarefa fácil e às vezes não é percebida.

    • Jose Augusto Guilhon disse:

      Agradeço seus comentários e sua gentileza. Não discordo de que o esquerdismo da política externa LulaDilma precisasse ser revista, uma vez que implicava uma exclusão de alguns de nossos principais parceiros. Acho que uma política externa que nos põe em conflito com países com o que cooperam com o Brasil está à deriva. Mas respeito sua opinião e acho que o Sérgio amaral tem todo o direito de ter sua própria opinão.

  2. I found your weblog web site on google and examine a number of of your early posts. Continue to maintain up the superb operate. I just extra up your RSS feed to my MSN Information Reader. Seeking forward to reading extra from you later on!?

  3. Can I just say what a aid to seek out someone who really knows what theyre speaking about on the internet. You undoubtedly know how to bring an issue to gentle and make it important. Extra people need to read this and perceive this aspect of the story. I cant consider youre no more in style because you undoubtedly have the gift.

  4. After study a couple of of the weblog posts on your website now, and I actually like your means of blogging. I bookmarked it to my bookmark website list and might be checking again soon. Pls check out my website as nicely and let me know what you think.

  5. There are certainly quite a lot of particulars like that to take into consideration. That could be a great point to bring up. I supply the ideas above as normal inspiration however clearly there are questions like the one you bring up the place an important thing will likely be working in trustworthy good faith. I don?t know if best practices have emerged round things like that, however I am positive that your job is clearly recognized as a fair game. Both girls and boys feel the affect of just a moment抯 pleasure, for the rest of their lives.

  6. There are some attention-grabbing cut-off dates on this article however I don抰 know if I see all of them middle to heart. There’s some validity however I’ll take hold opinion till I look into it further. Good article , thanks and we wish extra! Added to FeedBurner as nicely

  7. Aw, this was a really nice post. In idea I want to put in writing like this additionally ?taking time and precise effort to make a very good article?however what can I say?I procrastinate alot and under no circumstances seem to get something done.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *